ENTENDENDO A OBESIDADE

A obesidade é parte da espécie humana desde o seu início. Figuras primitivas de mulheres pintadas obesas aparecem em diversas civilizações da antiguidade.

O que leva a OBESIDADE então?

Estudos evolutivos mostram que o nosso tubo digestivo data de 200.000 anos. Esta evolução foi o que tornou possível dezenas de milhares de anos depois o cérebro moderno. Ou seja, para que o cérebro funcione foi necessário ter um eficaz sistema que possa absorver nutrientes dos alimentos que ingerimos.

Ao lembramos em que ambiente este tubo digestivo evoluiu, vemos a importância do complexo mecanismo que além de absorver nutrientes, atua na composição corporal.O intuito deste sistema é manter a composição corporal. Ou seja tornar fácil  ganhar peso e difícil  perder. Este era um ponto central para o Homo Sapiens moderno (nossa última evolução). Para prosperar ele precisaria se adaptar, ou ganhar peso facilmente e perder com dificuldade, para que se mantivesse competitivo em ambiente hostil.

Transportando este desafio para os dias atuais, relatou Friedman em ciência moderna versus o estigma da obesidade: Pessoas obesas a despeito dos efeitos adversos de saúde, são adicionalmente vitimizados por um estigma social baseado em um mito: o peso de ser controlado somente pela decisão comer menos e exercitar-se mais. Esta solução simplista sem substrato cientifico, não leva em conta um preciso sistema biológico que mantém o peso corporal em uma margem estreita. Tentativas voluntárias de perda de peso são registradas por contramedidas potentes, cuja gênese remonta ao início da espécie (Friedman JM. Modern Science Versus The Sitgma of Obesity, Nat Med. 2004:10(6) 563-9)

A epidemia da OBESIDADE é parcialmente causada pelo fato que todos nós possuímos um metabolismo evolutivo criado para nos proteger da fome, da privação a despeito da vida moderna. Este mecanismo foi elemento central da seleção natural ao longo dos milhares de anos desde o surgimento do Homem Moderno.

Dr. Carlos Alexandre Guerra Fonseca
Cirurgião Bariátrico Membro da SBCBM

Leave a reply