A PSICOLOGIA & OBESIDADE

Ao mesmo tempo que a tecnologia nos traz grandes mudanças nas diversas áreas da saúde, nos deparamos com uma enfermidade que avança na mesma velocidade da internet:  a OBESIDADE. A época do fast-food alcança uma dialética sistêmica, um paradoxo nocivo, de uma complexidade que necessita de uma equipe multidisciplinar trabalhando de forma interdisciplinar para dar suporte eficaz a EPIDEMIA DO Séc. XXI – a OBESIDADE.

Atualmente problema de saúde pública para o nosso país e para o mundo, que requer uma visão ética e humana dos profissionais da Psicologia e das áreas afins, que possam de forma qualificada e profissional, subsidiar esta demanda tão discutida nos dias atuais.

E quando falamos em obesidade, precisamos compreender que corpo e a mente não estão separados, e a psiqué necessita ser assistida pelo especialista que acolha não só uma patologia crónica, mas o que tem por trás desta enfermidade.

Quando a psique funciona de forma inadequada poderá causar tremendos prejuízos ao corpo, da mesma forma que, inversamente um sofrimento corporal poderá afetar a psique, pois a psique e o corpo, não estão fragmentados, mas são animados por uma mesma vida. Assim sendo, é rara a doença corporal que não revele complicações psíquicas, mesmo quando não seja psiquicamente causada.

Nesse sentido, um acompanhamento PSICOLÓGICO é de suma importância e imprescindível para a eficácia do tratamento da Síndrome Metabólica Multifatorial, que muitas vezes necessita da psiquiatria para melhor compreensão e cuidado integral dos pacientes, somando ao tratamento contra obesidade, seja cirúrgico ou não.

Por tanto, a negligencia a psicoterapia já se apresenta como um comportamento de uma possível resistência e na falta de adesão completa ao processo do tratamento contra a OBESIDADE, que muitas vezes é longo,  singular, que transcende o tecido adiposo em excesso, e passeia por um mundo de possibilidades, de medos, ansiedades, e fragilidades que emergem de um olhar do PSICÓLOGO, não só para quem vivencia a Síndrome Metabólica Multifatorial, mas todos os envolvidos nesse processo, como familiares e cuidadores oficiais de cada paciente,  já que não somos seres isolados no processo existencial e  estamos o tempo todo em dialética com o outro, com um mundo a ser desvendado e compreendido para a ciência dos comportamentos humanos.

Nesse sentido o ser que muitas vezes se encontra perdido dentro do seu próprio eu, do seu casulo existencial, inicia um processo de descoberta intrínseca, onde reconhece a sua subjetividade, abrindo espaço para verbalizações das suas EMOÇÕES, do seu mundo pouco habitado por si mesmo quando se coloca em terapia e se permite um toque mais humano em suas dores, no  desconhecido do seu anonimato pouco desvendado e muitas vezes negligenciado pela falta de escuta singela, ética e profissional, que se coloca como facilitadora de um recomeçar, com reforços positivos, que os coloca em postura biófila diante do seu próprio EU.

Lyssa Kaline Dantas de Góis
CRP – 17/1846
Coordenadora Geral do Projeto ObesidadeHoje
Psicóloga Clínica e Hospitalar

Leave a reply